ISO 39001 É O CAMINHO PARA REDUÇÃO DOS ACIDENTES

Reduzir o número de acidentes no transporte rodoviário de cargas agrega valor ao negócio, torna as transportadoras mais competitivas e contribui para atrair motoristas e novos clientes. Estas foram algumas das conclusões dos quatro Seminários Volvo de Segurança Zero Acidentes, promovidos pelo Programa Volvo de Segurança no Trânsito (PVST), entre setembro e novembro deste ano. Os encontros reuniram mais de 450 lideranças do setor do transporte de cargas, do Paraná, Santa Catarina, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.

A Carga Pesada acompanhou o seminário de Curitiba. “Sabemos que a meta é extremamente desafiadora, que pode parecer utopia, mas a realidade só é transformada com ousadia”, disse a coordenadora do Programa Volvo de Segurança no Trânsito (PVST), Anaelse Oliveira. “Nosso objetivo é discutir formas de aumentar a segurança no transporte comercial, de acordo com a realidade e as necessidades das diferentes regiões do país”, explicou.

O conceito de Zero Acidentes nasceu na Suécia, país sede do Grupo Volvo, e começa a se espalhar pelo mundo, ante uma sombria previsão da Organização Mundial da Saúde, segundo a qual o trânsito saltará do 9º lugar entre as causas de mortes, que ocupava em 2004 (2,2% do total), para o 5º lugar em 2030 (3,6% do total).

Com esta preocupação, especialistas de 39 países formaram um grupo de trabalho para desenvolver uma norma que sistematizasse a gestão da segurança no tráfego em qualquer organização que interaja com sistemas de trânsito ou transporte.

iect_acidente_zero

O resultado foi a publicação, em outubro de 2012, da ISO 39001 – Sistema de Gestão da Segurança no Tráfego, outro tema dos encontros que a Volvo está promovendo. A norma em inglês está disponível no site da ABNT por R$ 392. Ela está sendo traduzida para o português.

A norma 39001 trata do planejamento das ações de segurança no trânsito, a partir da identificação das distâncias percorridas, tipo de veículo, clima, volume de produtos e serviços providos pela organização. São considerados fatores intermediários de segurança o planejamento da viagem, capacitação dos motoristas, definição de velocidades seguras, uso de veículos adequados à carga, resposta a acidentes e sua investigação.

No seminário também foram apresentados os principais resultados da pesquisa “A Imagem do Transporte Rodoviário de Cargas no Brasil” realizada pelo Instituto Bonilha. O estudo aponta que 63% dos entrevistados acreditam que os motoristas usam estimulantes e que 58% acreditam que a profissão não é valorizada. Em relação à segurança, 40% acreditam que os acidentes são provocados pela má conservação das estradas e 21% que são provocados por imprudência dos motoristas.

“Alcançamos plenamente nosso objetivo. A reação da maioria das empresas mostra que o desafio de buscar o Zero Acidentes não é impossível, apesar de exigir planejamento e ações concretas e de longo prazo. Alguns participantes dos seminários têm interesse em começar a utilizar a ISO já em 2015, para buscar melhorias na gestão de segurança de suas empresas e com o objetivo da certificação”, afirma Anaelse Oliveira, coordenadora do PVST.

A ISO 39.001 contempla diversos itens e critérios fundamentais para a gestão em segurança viária, como engajamento das lideranças da empresa, motoristas bem treinados e com jornadas de trabalho adequadas, análise dos acidentes para reduzir riscos, programas de renovação e manutenção da frota.

“Os debates reforçaram a necessidade de medidas já conhecidas para a redução dos acidentes, como o treinamento dos motoristas com foco no comportamento, para que assumam um papel de gerenciadores de riscos nas estradas. Adotar uma certificação vai ajudar as empresas a estabelecer processos e a mensurar resultados de suas ações”, destaca Solange Fusco, diretora de Comunicação Corporativa do Grupo Volvo América Latina.

Na avaliação do especialista em segurança no trânsito J.Pedro Corrêa, consultor do PVST e um dos palestrantes dos seminários Zero Acidentes, o interesse dos empresários pela ISO 39.001 foi o principal resultado prático dos eventos. “Os empresários entenderam que a certificação pode ser um diferencial competitivo de mercado, trazendo, além de segurança à operação, benefícios econômicos”, comentou.

Outro resultado importante dos seminários foi a sensibilização dos sindicatos e federações de transportes de cargas para a importância estratégica dessas entidades nas questões relacionadas à segurança viária. “A continuidade desses debates e discussões nas cidades e estados depende de uma mobilização permanente do setor. Esse é um papel importantíssimo das instituições que representam o setor”, destaca Anaelse Oliveira.

iect_39001_iso

As lideranças das instituições reconhecem que precisam melhorar a imagem do setor à partir de ações concretas em segurança e da melhoria da qualidade nas condições de trabalho dos profissionais do setor.

“De fato, é evidente que para mudar a imagem do transporte de cargas no Brasil é preciso mudar as atitudes do setor. Isso é possível somando esforços para implementar ações que diminuam as mortes causadas por acidentes com caminhões nas rodovias. É preciso que o empresário entenda que evitar acidentes é mais vantajoso para os negócios, pois treinamento não é custo, mas sim investimento”, destacou Vander Costa, presidente da Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Estado de Minas Gerais (Fetcemg).

Sérgio Gonçalves Neto, presidente do Sindicato de Transportes de Cargas e Logística do Rio Grande do Sul (Setcergs), também afirmou que a preocupação com a questão da acidentalidade nas estradas é geral e que o seminário Zero Acidentes foi um impulso para se sair da zona de conforto e iniciar um movimento concreto.

A estratégia de regionalizar os seminários do PVST para propagar a visão Zero Acidentes será mantida em 2015. O calendário de eventos será definido no início do ano e contemplará capitais da região central e norte do país.

Instituo de Ética e Comportamento no Trânsito

Leave a Comment